CICLISMO

Amaro Antunes na Senhora da Graça

125views
O algarvio Amaro Antunes (W52-FC Porto) é o novo comandante da Volta a Portugal Edição Especial Jogos Santa Casa, depois de vencer a 2ª etapa, 167 quilómetros entre Paredes e o alto da Senhora da Graça, Mondim de Basto.

A corrida foi animada por uma fuga de 13 corredores, mas foi na subida do Barreiro, a mais de 30 quilómetros da meta, que aconteceram as movimentações determinantes. Foi aí que dois fortes candidatos à Camisola Amarela Jogos Santa Casa, Amaro Antunes (W52-FC Porto) e Frederico Figueiredo (Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel), atacaram para se juntarem na frente da corrida aos três resistentes da fuga inicial, Ricardo Mestre (W52-FC Porto), Hugo Nunes e Daniel Silva (Rádio Popular-Boavista).

O quinteto, quase sempre comandado por Ricardo Mestre, foi ganhando terreno ao pelotão, entrando na subida final com cerca de 1 minuto de vantagem. As rampas do Monte Farinha fizeram a seleção, restando Amaro Antunes e Frederico Figueiredo na frente

Amaro Antunes, aproveitou bem a roda do adversário, disparando a 400 metros para a vitória na icónica etapa da Volta, cumpridas 4h25m50s de prova. Frederico Figueiredo gastou mais 22 segundos. João Benta (Rádio Popular-Boavista), insatisfeito com a modorra do grupo dos chefes-de-fila, atacou para ser terceiro, a 1m13s.

Gustavo César Veloso (W52-FC Porto) cedeu a camisola amarela ao colega de equipa Amaro Antunes, depois de ser o 5º, a 1m44s. Ainda assim, foi o melhor dos restantes candidatos à Camisola Amarela Jogos Santa Casa.

Amaro Antunes passou a ser o dono da Camisola Amarela Jogos Santa Casa, com 13 segundos de vantagem sobre Frederico Figueiredo. O 3º foi Gustavo César Veloso, a 1m13s. Seguem-se João Benta, a 1m17s, e Joni Brandão (Efapel), a 1m20s.

“A nossa tática saiu na perfeição. Arranquei na penúltima subida, onde tinha de gerir bem as forças. O Frederico queria um ritmo mais elevado, mas eu tinha de gerir a potência para chegar ao alto da Senhora da Graça com poder. O super Ricardo [Mestre] fez um trabalho soberbo, quase que me trouxe ao colo. Depois deixei todas as minhas forças em nome desta excelente equipa”, contou Amaro Antunes.

O domínio da W52-FC Porto tem reflexo também na geral coletiva e na Camisola Vermelha Cofidis, de que Amaro Antunes é também o dono. A fuga do dia rendeu a Camisola Branca e Vermelha, da montanha, a Hugo Nunes. Simon Carr (Nippo Delko Provence) é o novo proprietário da Camisola Branca IPDJ, símbolo de melhor jovem da competição.

 

Fonte e Imagens: Federação Portuguesa de Ciclismo